Yardenit, local do Batismo de Jesus, Rio Jordão. Sul do Mar da Galiléia.

Yardenit, local do Batismo de Jesus, Rio Jordão. Sul do Mar da Galiléia.

Inácio, no seu livrinho, pede a todos, que antes de fazermos os EE (Exercícios Espirituais), devemos atentar para algumas anotações, para que possamos desenvolver toda uma preparação para adquirir alguma compreensão dos mesmos. No total são 20 (vinte) anotações e vamos aqui, impregnado do amor de Deus, colocar algumas destas anotações para nossa reflexão e conhecimento, pois às Congregações Marianas abriram mão desta proposta, mas em nossa Regra de Vida, em seu nº 24 afirma que devemos seguir. Uma tremenda incoerência. Ou praticamos (sou à favor), ou reformamos a nossa Regra de Vida, apontando novos caminhos.

Mas, dentro da vigência atual, a Regra ainda é válida, assim passamos a destacar algumas das anotações do Santo de Loyola, que muito colabora com a nossa santificação, desde que bem vividos.

Na Primeira Anotação, Inácio nos fala de uma intensa atividade pessoal, da mesma forma como fazemos exercícios físicos para melhorar o nosso corpo, precisamos dos EE para melhorar a nossa alma, fazendo valer a capacidade dos atributos da alma, ou seja, a Liberdade, Vontade e Amorosidade, pois, com a valorização destes atributos podemos antecipar o Reino de Deus, aqui e agora. Esta foi a vida dos místicos, e Inácio de Loyola, foi um deles. E se foi bom ao santo, ele quer nos ensinar a trilhar o mesmo caminho, o da santidade.

Afirma o Santo, ainda nesta Primeira Anotação, que o ator principal nos EE é o próprio Espírito Santo, que no tempo privilegiado da graça (momento de nossa abertura para Deus, através dos EE), nos leva, através de uma catarse intensa e progressiva, para o encontro pessoal com o Deus vivo. Esta experiência é gratificante, pois participo de EVC (Exercícios na Vida Cotidiana), conforme Santo Inácio estimula na Anotação nº 19 e quinzenalmente acompanhado por um sacerdote Jesuíta, Pe. Paulo Pedreira, testemunho na minha vida este progresso, uma abertura para o Deus vivo, onde coloco minha vida a seu serviço, para melhor me conduzir na minha realidade, ou seja, no meu trabalho, faculdade, família, colégio onde ministro aulas de sagrada escritura, enfim a graça é infinita, e, ter Deus presente, me faz mais mariano, pois era assim que a Virgem Maria caminhava, Deus estava presente, pois ela gerou o próprio Filho. Bendito o fruto daquele ventre, que agora passo a contemplar e ver que tudo é graça.

Ainda, nesta Anotação, Inácio nos diz que os EE são qualquer modo de examinar a consciência, e confirmo que é, pois conforme dizia o filósofo René Descartes: “Penso, logo existo”, desta maneira, examinar a nossa consciência é uma dádiva, pois somos os únicos seres criados por Deus que possui esta capacidade de pensamento, de poder examinar a consciência, no silêncio, em Deus.Tudo é graça.

Continua o santo, ainda nesta anotação: “EE é todo e qualquer modo de preparar e dispor a alma para tirar de si todas as afeições desordenadas, afastando-as, procurar e encontrar a vontade divina, na disposição da vida para a salvação da alma”. Dentro da minha liberdade, pois nada é forçado, disponho minha alma para a vontade e o amor e assim com este objetivo afasto as afeições desordenadas, tudo aquilo que me incomoda, tudo aquilo que não é graça e sim desgraça, deixo de lado e procuro me aprofundar nas coisas de Deus e olhar a realidade de forma diferente, e começamos a olhar tudo que foi criado por Deus, foi feito por amor. Também, passo a contemplar, que até os alimentos que chegam a minha mesa, foi fruto do trabalho de muitas pessoas. Então, contemplo em Deus, quantos colaboraram para o meu café da manhã, meu almoço. Quantos na minha família, trabalham para mim, uma roupa vincada, um sapado engraxado, uma roupa limpinha e cheirosa e no trabalho, quantos colaboram conosco para o objetivo final de nosso dia a dia no trabalho, tudo é graça. Tudo está a minha disposição para a salvação da alma. É Deus mesmo agindo em mim, dialogando comigo, caminhando comigo, me apontando os caminhos a seguir. Não é o mesmo que aconteceu com Sua Mãe. Já nesta Primeira Anotação, nos sentimos mais marianos, mais íntimo de Maria, me dando orgulho de ser congregado mariano.

Inácio, avança, para a Segunda Anotação e nos propõe: “O que sacia e satisfaz a alma não é o muito saber, mas o sentir e saborear as coisas internamente”. Veja, a proposta do Santo de Loyola, não é o que satisfaz ao corpo e sim a alma, pois, como sabemos, o corpo passa, desaparece, sucumbe, por isto os atributos da alma são importantes: Liberdade, Vontade e Amorosidade, isto que nos levará para o encontro com Jesus, e, Inácio, consciente deste conhecimento adquirido e experimentado, nos quer passar, pois ele quer salvar almas e não vidas.

Continua o Santo, “não é o muito saber”. Isto significa, que os EE não é só para o intelectual, mas para todos, para o sábio e o iletrado, principalmente para todo aquele de boa vontade. Inclusive já me questionaram se os EE era só para doutores, intelectuais, letrados, formados. Digo que não, os EE como são pautados no amor de Deus, e sabemos que Seu amor não cabe em si, irradia, e os EE, da mesma forma, servem e querem atingir a todos. Quantos EE com pessoas que nem ler sabia, puderam participar e deram testemunho, maiores até que o meu. O Amor de Deus é Maravilhoso.

Mas, “o sentir e saborear as coisas internamente”. Quando, aprendemos a contemplar, observamos detalhes, que numa simples oração não identificamos. Apreendemos as coisas de Deus e a levamos aos nossos corações e meditamos lá. Assim, como fazia a Virgem Santíssima. E como é suave e consoladora esta presença de Jesus, nos causando comoção e aproximação, querendo eu, inclusive, esquecer o passado e somente pensar em “olhar para frente”, com o objetivo único de não me deixar preso pelas coisas que o mundo oferece, mas sim pelas perspectivas de um mundo melhor para todos. Como é doce e suave estar na presença de Jesus.

Estas linhas dedico aos congregados da Federação de Sorocaba, que puderam partilhar um pouquinho desta experiência e, prometo, continuar comentando, outras anotações, para que outros se acheguem para contemplar o amor de Deus, que não tem limites e me coloca, como outrora falara o Pe. Zezinho em uma de suas canções: “Sou cidadão do infinito, do infinito...”