filosofiaIntrodução: Sócrates à Relação que estabelece é puramente intelectual. Seu conhecimento é vivo (experiência da vida cotidiana). Cria o princípio que nada sabe. Desperta as consciências adormecidas. É tido como subversivo e deve morrer. O lugar da Filosofia é a praça pública.

Filosofia: etimologia: passagem do mundo mítico para a consciência racional “Amor à sabedoria”.

Filosofia não é um saber: Kant: “Não há filosofia que se possa aprender” é um pensar permanente. Platão: “é admirar-se”. A filosofia não é a posse da verdade, mas a sua busca. O pensar filosófico é a vivência no cotidiano.

A filosofia não se confunde com a ciência: Nos primórdios, com Tales, Pitágoras e Aristóteles, ciência e filosofia se ligavam. Séc. XVII com Galileu Galilei, houve a ruptura, nascia a ciência, fragmentação do saber. A pergunta: o que resta da filosofia, se ela foi esvaziada? – As ciências se especializam, a filosofia tem uma visão de conjunto. Deste modo, em todos os setores do conhecimento e da ação, a filosofia deve estar presente como reflexão crítica a respeito dos fundamentos deste conhecimento e deste agir. Filosofar é dar sentido à experiência.

O processo de filosofar: Há a filosofia de vida que é o filosofar espontâneo do homem comum. Ex.: escolha da escola, apartamento etc… Já filosofar surge no momento do pensar, tornando-se objeto de uma reflexão, colocar em questão o que se conhece. Mas, segundo o professor Demerval Saviani, para esta reflexão ser filosófica, precisa ser Radical (reflexão em profundidade), Rigorosa (segundo métodos determinados) e de Conjunto (o problema não deve ser examinado de forma parcial, mas olhando todo o contexto a sua volta).

Qual é a utilidade da filosofia: É a transcendência humana, ou seja capacidade do homem superar sua imanência. E isto provoca no homem maior contato com a vida. Filosofar sempre se confronta com o poder, não devendo sua investigação estar alheia à ética e à política. Filosofia se coloca ao serviço da “liberdade”. A filosofia critica a ideologia, põe a nu aquilo que estava escondido. Filosofia exige coragem. Não é um exercício puramente intelectual. Descobrir a verdade para enfrentar as formas estagnadas. É aceitar o desafio da mudança. 

Método da filosofia: Em Sócrates: Divide em duas partes: Ironia e maiêutica. Platão: aperfeiçoa a maiêutica e a transforma em dialética. Aristóteles: desenvolve as regras do pensamento correto: encadeamento das proposições, ligações dos conceitos universais para os particulares. Leis do silogismo, que irá delinear a argumentação dedutiva. Idade Média: Grande influência de Platão e Aristóteles, surge a escolástica, desenvolve a discussão, a argumentação e o pensamento discursivo. Descartes: Surge a questão do método, a intuição intelectual. Descoberta da subjetividade (conhecimento do mundo se faz com o sujeito que o conhece). Locke, Hobbes, Hume, Berkeley, Leibniz: nominalismo e empirismo. Kant: desenvolve o criticismo e coloca a razão em um tribunal. Comte: O fato positivo é aquele medido e controlado pela experiência. Wittgenstein, Schlick, Carnap: Neopositivismo. Hegel: método dialético (versão idealista) e Marx e Engels (versão materialista). Husserl: método fenomenológico (tenta superar a cisão do racionalismo e empirismo). Séc. XX a partir da pesquisa das ciências humanas, a lingüística (Saussure, Jakobson) e na antropologia (Lévi-Strauss): Estruturalismo (sob certas estruturas superficiais, há estruturas profundas que precisam ser investigadas (o estruturalismo se opõe ao historicismo).

Filosofia: nem dogmatismo, nem ceticismo: Essas duas posições antagônicas têm algo em comum, a visão imobilista do mundo: o dogmático atingiu uma certeza e nela permanece; o cético anseia pela certeza decide que ela é inalcançável. Filosofia é movimento. A certeza e a sua negação são apenas dois momentos (a tese e a antítese) que serão superados pela síntese, a qual será a nova tese. A filosofia é a procura da verdade, não a sua posse, como disse Jaspers “fazer filosofia é estar a caminho; as perguntas são mais essenciais que as respostas e cada resposta transforma-se numa nova pergunta.