pim-vassourasEsclarecimento é a saída do homem de sua menoridade (incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo). Sendo que o homem é o próprio culpado pela sua falta de decisão e coragem. Uma das grandes causas: preguiça e a covardia. Hoje em dia as facilidades das coisas não me obrigam a pensar é mais fácil pagar. Torna-se difícil ver alguém livre desta menoridade, algo que começa a nos prender aos grilhões dentro mesmo de nossa socialização, enquanto família e vamos crescendo assim sem liberdade sempre presos a regras e sistemas.

Para que um público se esclareça há de ter liberdade. Mas se esbarrarão sempre com alguns indivíduos capazes de pensamento próprio e que acabarão dominando e obrigando os que estão sob eles de serem incapazes de chegar ao esclarecimento. É um trabalho que deverá ser feito muito lentamente, pois nem uma revolução poderá realizar a verdadeira reforma do modo de pensar.

Para o esclarecimento exige-se liberdade, mas o que temos é limitação da liberdade. Quando utilizamos a razão de forma pública, será sempre livre e realizará esclarecimento. Quando utilizamos a razão de forma privada há impedimento do progresso do esclarecimento, pois temos que viver dentro de certos comportamentos, sem raciocinar e só obedecer. Mas, vale salientar que este mesmo cidadão que usa a razão de forma privada, pode vir a utilizá-la de forma pública com ilimitada liberdade.

Uma sociedade poderia a vir se fechar e criar uma supertutela para conduzir seus membros e afastar para sempre todo o possível esclarecimento? – É nula esta hipótese e um erro contra a natureza humana. O homem pode até adiar o esclarecimento, mas renunciar a ele, significa privar a humanidade de seus próprios direitos. Da mesma forma, um povo, nem um monarca podem decidir sobre si mesmo.

Em resposta a pergunta: “Vivemos agora em uma época esclarecida”? Kant diz: “Não, vivemos em uma época de esclarecimento”, pois ainda falta muito para o homem estar plenamente seguro de seu entendimento sem estarem dirigidos por outrem. Neste sentido, para Kant, a época de esclarecimento é a época do Príncipe Frederico (Frederico II, da Prussia) que entendia que a liberdade do cidadão nada mais era do que o cumprimento das ordens do Estado. Para ele, o objetivo do governo era o bem comum, a preocupação com os interesses, a felicidade e o bem estar do povo. Pela primeira vez libertou o genero humano da menoridade, e deu a cada homem a liberdade de utilizar sua própria razão em todas as questões da consciência moral.

Frederico II, que era esclarecido, não tinha medo de sombras e ao mesmo tempo tinha à mãos um numeroso e bem disciplinado exército para garantir a tranqüilidade pública, dizia: “raciocinai tanto quanto quiserdes e sobre qualquer coisa que quiserdes; apenas obedecei”! Vemos, um grau maior de liberdade civil parecer vantajoso para a liberdade de espírito do povo e no entanto, estabelece para ela limites intransponíveis.