Monte Carmelo, Haifa, Israel

Monte Carmelo, Haifa, Israel

Continuando as reflexões sobre as anotações para os Exercícios Espirituais (EE), destacamos neste artigo as anotações 3 e 4, onde queremos levar nosso leitor a curiosidade da prática na vida dos EE, que muitos frutos poderão dar, para tal, veja o cardápio de santos e santas, beatos, beatas e bem-aventurados das fileiras marianas, isto muito anima, a engajar nesta caminhada.

Na Terceira Anotação, o Santo de Loyola, nos aponta que em nossos Retiros normalmente utilizamos nosso entendimento raciocinando, e através da vontade despertamos afetos. Aqui, cabe uma pausa sobre os atos da vontade, que ao falarmos com Deus, se requer de nossa parte maior reverência, ou seja, um respeito temente a este Deus que nos criou para o amor. Até a oração de Inácio se faz presente: “Tomai, Senhor, e recebei toda a minha liberdade, a minha memória também o meu entendimento e toda a minha vontade”. Seria, como se ajustássemos uma sintonia fina, entregando a Deus nossa liberdade, memória e vontade, para um diálogo muito presente, mais íntimo, e poder afirmar como São Paulo “Não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (cf. Gál 2,20).

A partir do pressuposto, que entregamos a Deus o que ele nos dá de melhor, sentimos que devemos ser gratos em nossas ações. Tamanha responsabilidade, que requer compromisso de nossa parte. É o momento de revermos as palavras que proferimos em nossa Consagração a Nossa Senhora, um compromisso de fidelidade por toda a vida. Esta ligação, compromisso, responsabilidade com aquilo que prometemos, chamamos de “aliança”. E, esta aliança, aponta uma missão. No EE, aprendemos, através das contemplações, descobrir a nossa missão, não só na Igreja, mas também a missão como cristão, na realidade da vida e isto nos assegura uma pertença a Deus, despertando afetos, movendo a nossa inteligência, para através da vontade, perseguirmos aquilo que objetivamos, que é o encontro, mesmo com Jesus, na nossa vida, para junto dele colocar a nossa vida em oração, através do aumento de nossa fé, como resposta a toda graça que recebemos.

A experiência de Inácio ao redigir a sua Quarta Anotação, nos mostra que o EE é uma síntese da História da Salvação, pois possui início, meio e fim, basta perseguirmos com perseverança em sua totalidade, sem jamais esmorecer, só assim conseguiremos entender, que a História da Salvação passa por cada um de nós, e estamos nesta história, como Povo de Deus, podendo até afirmar: “Também sou teu povo Senhor, e estou nesta estrada…”. E, quando, nos sentimos Povo de Deus, raça escolhida, fazemos nossas escolhas com maior empenho e dedicação. Se escolhemos livremente ser congregados marianos é porque fizemos uma opção de vida, e se queremos ser marianos autênticos, devemos deixar nossas vaidades de lado e em tudo amar e servir.

Olhando a História da Salvação, vemos a Eleição de Abraão, Moisés, Samuel, Davi, Salomão, Eliseu, os profetas, Maria, Paulo. Nenhum deles precisou participar de votação, para ver quem seria o eleito. Esta indicação foi feita direta de Deus.

Na Igreja, a eleição do Santo Padre, é realizada em um confinamento de silêncio e muita oração e o Espírito de Deus vai iluminando até haver um único escolhido.

Em vários movimentos leigos, já há esta maturidade, onde vários leigos são indicados por coordenações regionais e partindo de um Retiro e de muita oração, encontram no discernimento, àquele candidato que irá estar à frente por um período de tempo pré-determinado. Evitando-se eleições, como acontecem hoje, onde sempre geram divisões e onde há divisões, o inimigo está no meio. O grupo vira uma Babel, onde cada um fala uma língua onde ninguém se entende. Já, na História da Salvação, temos um momento chamado ”Últimos tempos”, que é o tempo da Igreja, o nosso tempo e quem anima este tempo é o Espírito Santo, que desceu sobre a Virgem e os Apóstolos em Pentecostes.

Mas, a Regra de Vida das Congregações Marianas, está aí para ser cumprida, mas devemos, com muita sabedoria, lutar para mudar, no tempo oportuno, este tipo de eleição, que só leva a divisão. Discernir é preciso!

Ainda, na Quarta Anotação, Inácio distribui a prática dos Exercícios em seis etapas. A primeira dela é chamada de “Princípio e Fundamento”, onde vamos nos deparar com a Criação e descobrimos a contemplação do universo e da história à luz da Trindade. Tem este nome, porque partimos do Princípio, da Criação e Deus que criou tudo. Tudo vem do Pai. E Fundamento, porque todo exercício está ancorado, fundamentado em Nosso Senhor Jesus Cristo, nosso único fundamento.

Após a descoberta da Criação, penetramos na Primeira Semana, que entraremos nas considerações e contemplação do pecado. Descobrimos que entre toda a criação de Deus e a nossa realidade há um grande abismo, que é proveniente do pecado dos primeiros pais, dos anjos e do nosso pecado.

Dando este salto por estas duas fases dos EE, podemos agora, adentrar a Segunda Semana, onde vamos contemplar a vida oculta de Jesus e a sua vida mesmo até o dia de Ramos. Atualmente, vivo esta experiência, pois estou contemplando o trecho do Bom Pastor, em Jo 10, nos Exercícios da Vida Cotidiana, uma caminhada, lenta, mas frutuosa.

Na Terceira Semana se contempla a Paixão de Cristo. Na Quarta Semana, se contempla a Ressurreição e Ascensão.

Por fim, a “Contemplação para alcançar o Amor”, que é uma síntese de todo o Exercício, para nos orientar e estimular no nosso cotidiano, apoiados pelos escritos do Novo Testamento como uma postura constante de amor a Deus a ao próximo.

Que estas anotações estimule a todos aqueles que aqui na Federação do Rio de Janeiro, conseguem parar um pouquinho as suas atividades, para juntos orarmos dentro dos EOI (Encontros de Oração Inaciana), que tem o propósito de animar e engajar o congregado nos passos das experiências dos EE proposto por Santo Inácio.

Recomendo, àqueles, que como eu, não possuem algum tempo disponível a fazer Exercícios Espirituais presenciais, que venham conhecer os EVC (Exercícios na Vida Cotidiana), personalizados. Com certeza, você encontrará muito mais sentido e alegria de viver. Caso deseje viver esta experiência, marque um horário com o Pe. Paulo Pedreira,sj, para uma entrevista inicial esclarecedora, através do E-mail: pedreirasj@jesuitasbrc.org.br