TERCEIRO MANDAMENTO:   

“Guardarás o dia de Sábado, para santificá-lo”.(Dt 5,12-15; Ex 20,8-10; Mc 2,27-28).

“Guardar Domingos e festas de guarda”.

Era costume entre os povos antigos, dedicar periodicamente, um dia ao culto da divindade.  A Lei divina sancionou este costume estipulando o sétimo dia como consagrado ao Senhor.  CEC 2168-72.

Cristo ressuscitou no primeiro dia da semana judaica, em consequência, os cristãos desde os tempos dos apóstolos, foram dedicando ao Senhor o Dia da Ressurreição que passou a chamar-se Dia do Senhor (Domingo) 1Cor 16,1s.; At 20,7; CEC 2174-77.

Exigências do terceiro mandamento: participação na Santa Missa e repouso.

Missa Dominical: também nós, tal como os primeiros cristãos, nos reunimos à volta do altar para louvarmos e rendermos graças a Deus (eucaristia).

No Brasil são dias de guarda, além dos domingos:

  • 1º de janeiro: festa da Mãe de Deus.
  • 8 de dezembro: Imaculada Conceição
  • 25 de dezembro: Natal
  • 2ª Quinta-feira após Pentecostes: Corpus Christi.

Transfere-se para o Domingo entre 2 e 7 de janeiro a solenidade da Epifania.

Transferem-se para o Domingo seguinte às festas da Ascensão do Senhor, Assunção de Maria (15/8), São Pedro e São Paulo (29/06) e de Todos os Santos (01/11).

A festa de São José (19/3) não é de preceito.  CEC 2180-83.

Hoje em dia o Código de Direito Canônico prescreve a freqüência da Santa Missa nos domingos e dias santos de guarda ou no dia anterior à tarde (geralmente após 16:00 h.) desde que sejam feitas as leituras do dia de preceito.  Entretanto, deve-se lembrar que o dia reservado ao Senhor é o Domingo; a opção de sábado deve ser reservado para situações especiais. CIC 1246,47,48.

O dever do descanso: CEC 2184-86.

S. Tomás afirma ser necessário o descanso corporal e espiritual, evitando-se 3 inconvenientes:

  • recreio com coisas desonestas e ou nocivas;
  • perder a seriedade da alma, se a reta razão não for a pauta de todo o comportamento;
  • fazer algo impróprio da pessoa, do lugar ou do tempo.

Pecados opostos: realizar atividades que impeçam o culto a Deus e o descanso.

Causas que escusam da Lei do descanso:    

  • grave incomodo próprio ou alheio;
  • natureza peculiar do trabalho;
  • dispensa dada pela legítima autoridade.

 

Referências Bibliográficas. 

  • AQUINO, F.  A Moral Católica e os Dez Mandamentos. Cléofas, São Paulo, 2005.
  • BETTENCOURT, E.T.  Curso de Teologia Moral.  Escola “Mater Ecclesiae”.
  • Catecismo da Igreja Católica.  9ª edição. Ed. Vozes, Rio de Janeiro, 1997. nº 2052- 2557. 

Texto elaborado por Luiz Maurício Osório