Igreja de São Francisco Xavier – Tijuca, RIO DE JANEIRO, RJ

O ilustre visitante observou como aqueles trabalhadores passavam, um após outro, carregando pesadas pedras. E resolveu entrevistar três deles. A pergunta foi a mesma para os três, mas as respostas foram diferentes uma das outras. Ei-las:

- Moço, que você está fazendo?

- Carregando pedras.

E perguntou ao segundo:

- Amigo, que é que você faz?

- Defendo meu pão de cada dia.

Finalmente, perguntou ao terceiro:

- E você, que é que está fazendo?

- Estou construindo uma catedral, onde muitos louvarão a Deus, e onde meus filhos aprenderão o caminho do céu.

Estão vendo? Fazem a mesma coisa, mas a maneira de fazer é diferente, porque depende daquilo que cada um traz dentro de si. Na Missa também é assim: ela é a mesma para todos, mas a maneira de participar é diferente, dependendo da fé e do interesse de cada um. Existem aqueles que só carregam pedras. Existem aqueles que vão à missa para fazer apenas as suas orações e os seus pedidos, como os simples mercenários que defendem o seu pão; e existem aqueles que vão à missa para louvar a Deus, na mais perfeita comunhão com seus irmãos e com o Pai, como aqueles que constroem a catedral.

Deus quer amigos e não escravos: Há, em nossa vida, muitas coisas que vamos fazendo sem saber por quê. Principalmente quando entramos no campo religioso, onde muita gente mistura fé e superstição.

O que disseram sobre a Missa? Por que você foi à Missa? - Porque era domingo; … para rezar; … para pedir boa sorte; … porque era Natal; … porque era bodas de meus amigos; etc…

Ninguém ama o que não conhece: Qual das respostas acima seria a sua? Você é de missa de ocasião? Ou vai todos os domingos? E que você faz na Missa? Que representa a Missa para você? Você sabia que a Missa contém todo o Mistério da Salvação? Ela é mais que uma oração. É a oração do próprio Cristo. Renova a Ceia do Senhor e o seu Sacrifício Redentor.

As duas partes da Missa: A missa, como veremos, divide-se em duas grandes partes: a Liturgia da Palavra e a Liturgia Eucarística.

O Divino e o Humano na Missa: O estudo das coisas de Deus não se destina apenas ao pensamento do homem, mas, sobretudo, ao seu coração e ao seu espírito.

Por que ir à Igreja?

Dois homens foram ao templo para orar: um era fariseu, o outro publicano. O fariseu, firme, de pé, fazia lá consigo esta oração: ó Deus, agradeço-te porque não sou como os demais homens, que são ladrões, injustos, adúlteros, ou ainda como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de tudo o que possuo. O publicano, porém, mantendo-se à distância, não queria nem sequer erguer os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ó Deus, perdoa-me, sou um pobre pecador!

E Jesus acrescentou: Digo-vos que este voltou para casa justificado, e não o outro. Porque, todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado (Lc 18,10-14).

A parábola foi contada para mostrar o valor da humildade na oração, e, para lembrar que a Igreja é a casa de Deus, e sempre foi o lugar de oração. No Antigo Testamento, os hebreus iam ao Templo em caravanas. Também, Maria, José e o Menino Jesus iam ao Templo de Jerusalém. Os discípulos, todos freqüentavam o Templo.

Não basta rezar em casa? – No exemplo acima, Jesus condena a oração sem sinceridade

Rezar com os outros: Ninguém pode rezar o Pai-Nosso pensando só em si. Ou reza com os outros, ou pelo menos pensando nos outros, pois Jesus mandou dizer Pai “nosso” e não Pai “meu”, venha a “nós” o vosso reino e não venha a “mim” o vosso reino.

Somos um só corpo: A Igreja é o novo Povo de Deus, que no deserto andava…

O homem é social: Foi feito para viver em comunidade. Ninguém é uma ilha e ninguém se salva sozinho.

Gestos e atitudes: Orar com a alma e o corpo. O homem é corpo e alma. Há nele uma unidade vital. Por isso ele age com a alma e o corpo ao mesmo tempo. O seu olhar, as suas mãos, a sua palavra, o seu silêncio, o seu gesto… Tudo é expressão de sua vida.

Gesto, sinal de libertação interior: Tanto o canto como o gesto, ambos dão força à palavra. A oração não diz respeito apenas à alma do homem, mas ao homem todo, que é também corpo.

Posições do Corpo: Os significados dos gestos. Pois a oração é também do corpo e não só da alma.

Sentado: É a posição mais cômoda, que facilita bem a instrução da Palavra de Deus.

De pé: É uma atitude de bastante seriedade. Indica prontidão. É próprio de quem ouve com especial atenção e respeito.

De Joelhos: Representa adoração a Deus e humildade na oração.

Genuflexão: É um gesto de adoração a Jesus na Eucaristia. Fazemos quando entramos na Igreja, ou quando dela saímos, desde que nessa Igreja exista a presença da Eucaristia.

Inclinação: É um sinal de profundo respeito. Os fiéis podem inclinar a cabeça quando o celebrante lhes dá a bênção no final da Missa.

Mãos levantadas: É a atitude dos “orantes”, especialmente nas catacumbas. Significa súplica e entrega do orante.

Mãos juntas: Significa recolhimento, busca de Deus no seu interior, fé e súplica, confiança e entrega a Deus.

Prostração: Hoje é um gesto, de uma pessoa que se consagra a Deus, na Ordenação Sacerdotal. Significa morrer para o mundo e nascer para Deus.

Silêncio: Têm seu valor na Oração. Na casa de Deus, temos que ficar em silêncio. Pois, o Senhor, fala no silêncio ao coração.

Fonte: CECHINATO, Pe. L., A Missa parte por parte, 3ª Edição, Editora Vozes, Petrópolis, RJ, 1980.