Caindo a fortaleza de Pamplona, os espanhóis se rendem aos franceses. Inácio estava ferido, mas os franceses cuidam muito bem dele, com cortesia e amizade. Depois de doze dias aproximadamente, em Pamplona, levaram Inácio em uma liteira para sua terra, a cidade de Loyola[1]. Lá, se acha muito mal[2]. Chamaram os médicos e cirurgiões, que diziam, que os ossos, tinham sido mal colocados, ou se tinham desconjuntado no caminho, pois estavam fora de suas posições, e desta forma, o doente, não poderia ficar bom.  

Fez-se de novo a carniçaria: nesta, como nas outras todas, por que passara e depois passou, nunca proferiu palavra, nem mostrou outro sinal de dor, senão o de apertar muito os punhos.  

Inácio piorava, sem poder comer. Estava à beira da morte. Chegou o dia 24 de junho[3], e os médicos, por terem muito pouca esperança de salvá-lo, lhe aconselharam que se confessasse. Recebeu os sacramentos, na véspera da solenidade dos apóstolos São Pedro e São Paulo. Diziam os médicos que, se até a meia noite não sentisse melhora, podia considerar-se morto. Inácio, era devoto de São Pedro[4], e assim quis Nosso Senhor que Inácio começasse, naquela mesma noite a melhorar. E foi crescendo tanto a melhora, que em pouco tempo, estava fora do perigo de morte[5].  

Bibliografia   

Cardoso, Pe. Armando, SJ, Autobiografia de Inácio de Loyola, Edições Loyola, SP, 1978, nº 2-3.


[1] Na viagem, para descansar o enfermo, segundo testemunho do Pe. Jerome Nadal, SJ (†1580), o fizeram parar por oito dias em Ozaeta, como hóspede de Tereza Ibáñez, parenta e amiga íntima de Madalena de Araoz, esposa do irmão de Inácio.  

[2] Inácio ocupou o quarto grande do 3º andar do Castelo, hoje convertido em capela (Pe. Leturia. El Gentilhombre, p.124)  

[3] Solenidade da Natividade de São João Batista  

[4] São Pedro era patrono da Igreja de Loyola. O Pe. Juan Polanco,sj fala de um poema da juventude de Inácio, escrito por ele em São Pedro de Arévalo, provando a devoção do cavaleiro. (Chronicon I,13)  

[5] Vai visitar seu amigo de mocidade, Alonso de Montalvo, que estava doente, para saber as últimas notícias da corte