ANOTAÇÕES PARA ADQUIRIR ALGUMA COMPREENSÃO DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS (TOTAL DE VINTE)

As anotações de Santo Inácio são comentários dos seus exercícios. Elas contem a idéia e noção dos exercícios e avisos práticos para o Diretor como para o retirante, ou para ambos.

O diretor é instruido sobre:

  • O que são os Exercícios Espirituais (anotação nº 1);
  • Como os há de propor (anotações nº 2, 6-10, 14-20);
  • A quem os há de propor (anotações 18-20).

O retirante é instruido sobre:

  • O que são os exercícios  (anotação nº 1);
  • A solidão e o recolhimento interior e exterior (anotações nº 3, 11 e 20);
  • A atividade própria e a observância das adições e da ordem prescrita (anotações nº 2, 4, 6, 12);
  • A magnanimidade e liberalidade (anotações nº 5, 13 e 16);
  • A sinceridade e docilidade (anotações nº 6-10 e 17).

 

PRIMEIRA ANOTAÇÃO

A primeira anotação é que por estes têrmos, exercícios espirituais, se entende QUALQUER MODO DE EXAMINAR A CONSCIÊNCIA, de meditar, de contemplar, de orar vocal e mentalmente, e outras operações espirituais, conforme se dirá mais adiante. Pois, assim como passear, caminhar e correr são exercícios corporais, da mesma forma se dá o nome de EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS A TODO E QUALQUER MODO DE PREPARAR E DISPOR A ALMA, para tirar de si todas as AFEIÇÕES DESORDENADAS e, afastando-as, procurar e ENCONTRAR A VONTADE DIVINA, na DISPOSIÇÃO DA VIDA PARA A SALVAÇÃO DA ALMA.

_________________

Encontra-se aqui, logo no início do livro, a definição descritivo-comparativa dos Exercícios Espirituais, segundo a qual eles são EXERCÍCIOS, intensa atividade pessoal. O ator principal nos Exercícios é o próprio Espírito Santo, que, no tempo privilegiado da graça, leva o exercitante, através de uma catarse progressiva e interna, para o encontro pessoal com o Deus Vivo.

PREPARAR E DISPOR A ALMA: O homem, por si mesmo, não pode fazer absolutamente nada na ordem sobrenatural; tudo, absolutamente tudo, vem de Deus; é dom gratuito de Deus. Todo progresso espiritual depende da graça. (“si quis sine gratia Dei credentibus, volentibus… nobis misericordiam dicit conferri.  … resistit Apostolo dicenti: Quid habes, quod non accepisti?” II Conc. de Orange,  D 179).

O papel do homem, na comunicação com Deus, consiste em uma cooperação dispositiva, em um não-opor-obstáculos à atuação da graça. Da parte do homem, esta cooperação significa muito. Exige trabalho duro, abnegado, sacrifícios, disciplina contínua, penitências…

E isto significa a morte do Eu egoísta e uma abertura total para Deus.

AFEIÇÕES DESORDENADAS: São todas as aspirações profundas (conscientes e inconscientes) do homem, que o levam a uma aversão a Deus, e pelas quais tende a desviar-se e a sair da ordem estabelecida por Deus, na qual tudo converge para Cristo, e nêle para o Pai.

O homem (pelas afeições desordenadas) pretende estabelecer uma nova ORDEM, que é ILUSÓRIA, FALSA, oposta à Divina, por ser pecaminosa.

ENCONTRAR A VONTADE DIVINA: Isso quer dizer que o exercitante, sob a ação do Espírito Santo, descobre, progressivamente, o caminho próprio, designado para ele por Deus, e entra, com generosidade, submetendo sua liberdade à Liberdade Divina, na perfeição da caridade.

DISPOSIÇÃO DA VIDA PARA A SALVAÇÃO DA ALMA: O fim primeiro e principal dos Exercícios é orientar o exercitante para uma CONVERSÃO INTEGRAL, PROGRESSIVA e DINÂMICA da sua existência total, para um encontro pessoal com Deus Vivo e Verdadeiro.

O TRIPLICE FIM:

  1. Fim Próximo: dos EE é “tirar de si todas as feições desordenadas”, é a mortificação, a abnegação, “vince te ipsum” (vença-se a ti mesmo);
  2. Fim Remoto: é buscar e achar a vontade divina na disposição de sua vida;
  3. Fim Último: é a salvação da alma

OS MEIOS: São orações, considerações, contemplações, meditações, leitura espiritual, exame de consciência, confissão etc…

NATUREZA DOS EXERCÍCIOS: Temos uma triplíce vida:

  1. Vida Corporal ou física com seus exercícios ginásticos, como passear, caminhar, correr, mover a cabeça, os braços e as pernas, para desenvolver a musculatura e fortalecer o corpo;
  2. Vida intelectual ou mental com seus exercícios para adestrar o espírito, como ler, decorar, estudar;
  3. Vida religiosa e sobrenatural com seus exercícios da memória, do entendimento e da vontade a respeito das verdades da fé e da moral cristã, para conseguirmos a salvação eterna, por ex.: rezar, examinar-nos, considerar, contemplar, meditar etc…

Os Exercícios Espirituais “preparam e (ainda) dispõem a alma para…“; assim diz Santo Inácio com muita razão, pois isto é um trabalho para toda a vida, ainda que, no breve tempo do retiro, se possa conseguir muito com a graça de Deus.

Os Exercícios Espirituais provocam um movimento, uma caminhada. Da usurpação desastrada de Adão para a conquista revificante de Cristo!” (cf. Padre Paulo Pedreira, Itaici, Revista de Espiritualidade Inaciana, nº 19, mar/95)

Em resumo, os Exercícios Espirituais são “corporalmente espirituais” e “espiritualmente  corporais” (cf. A. Garcia Monge, Psicologia y ejercicios ignacianos, Bilbao/Santander, Mensajero/Sal Terrae, 1990)

 

Bibliografia:

  • Loyola, I., EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS, com anotações Pe. Géza Kövecses,sj, Porto Alegre, 1966
  • Loyola, I., EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS, com anotações Fr Burcardo Sasse, OFM, Vol. 1, Editora Vozes, Petrópolis, RJ, 1937