Mt 3,13-17: “Jesus foi para o Rio Jordão para ser batizado por João”. (9.jan.2011)

13Da Galiléia foi Jesus ao Jordão ter com João, a fim de ser batizado por ele. 14João recusava-se: Eu devo ser batizado por ti e tu vens a mim! 15Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por agora, pois convém cumpramos a justiça completa. Então João cedeu. 16Depois que Jesus foi batizado, saiu logo da água. Eis que os céus se abriram e viu descer sobre ele, em forma de pomba, o Espírito de Deus. 17E do céu baixou uma voz: Eis meu Filho muito amado em quem ponho minha afeição.

____

Comentando:

Após a vida oculta de Jesus, acontece o início do seu ministério. E Jesus quer começar seu ministério recebendo o Batismo de João, que batizava no Jordão e seu batismo era simbólico: expressava o arrependimento dos pecados e, por si só, não produzia uma transformação sacramental interna.

O batismo de João é chamado nos evangelhos (Mc 1,4) de “batismo de conversão”, em contraste com o batismo de Jesus, que era o “batismo no Espírito Santo” (cf. At 19,1ss). “O batismo simbolizava não apenas o início de uma vida em Cristo, mas também a morte da velha vida do pecado. Com o batismo, o cristão é purificado, santificado e justificado (1Cor 6,11). Cristo santifica a Igreja, purificando-a mediante o banho da água e com a palavra (Ef 5,26). O batismo simboliza e produz não apenas a incorporação do cristão em Cristo (Gl 3,27), mas também a sua união com outros cristãos como membros do corpo único de Cristo (1Cor 12,13)”, (cf. John L. Mackenzie, Dicionário Bíblico, Paulus, 2003, verbete: batismo).

Mas, Jesus não precisava ser batizado, mas quer ensinar a todos, a obedecer as disposições divinas. Hoje, vemos as pessoas, não raro, fugindo do compromisso de se fazer um curso de preparação ao Batismo. Uma tremenda contradição comparada à atitude de Jesus Cristo.

Jesus quer ser batizado para se cumprir a vontade de Deus e os Seus desígnios, e preparar a era messiânica, pois Jesus veio cumprir a Vontade do Pai (Jo 4,34). Esta é a “justiça” que Jesus fala no v.15, em querer cumprir.

Jesus é uma pessoa divina, com duas naturezas: divina e humana. Deste modo Jesus possuía a plenitude do Espírito Santo. Depois que Jesus sai da água, o Espírito Santo começa sua ação por meio do Messias.

No Batismo de Jesus Cristo nos é revelado o Mistério da Santíssima Trindade: O Filho recebe o Batismo, o Espírito Santo, que desce sobre forma de pomba e a voz do Pai que dá o testemunho do Filho.

Os pais, após o nascimento de uma criança, deverão procurar um cartório para fazer o registro (certidão de nascimento), pois sem este registro, quando esta criança crescer não poderá estudar, trabalhar, não terá um CPF. Mas, se registrada ganhará “cidadania”, e poderá adquirir bens (comprar casa, automóvel etc…), mas, se não pagar as contas por estes bens adquiridos, será cobrado(a).

Da mesma forma, acontece no Batismo. Somos batizados em nome da Santíssima Trindade (Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo). E, ao crescermos teremos compromissos e responsabilidades. Há os Mandamentos da Lei de Deus, Mandamentos da Igreja, Atos de Fé, Atos de Piedade, mas se não cumprirmos, dentro da liberdade que nos é dada, ficaremos em desolação espiritual.

Assim, comparativamente, como o Registro faz o cidadão, o Batismo faz o cristão, pelo tríplice compromisso: como sacerdote, consagra sua vida e o mundo para Cristo; como profeta, anuncia o Plano de Deus e denuncia o que a ele se opõe; e, como rei, serve ao irmão, à Comunidade.