O acompanhante deverá estar atento, pois nos EVC (Exercícios na Vida Cotidiana), aparecem vários tipos de candidatos, e a cada um, qual o caminho e ritmo a seguir? Diz Inácio: “devem-se dar os tais Exercícios; porque não se deem a quem é rude, ou de pouca resistência, coisas que não possa levar sem fadiga e delas tirar proveito. Do mesmo modo, deve-se dar a cada um segundo queira se dispor, para que mais possa ajudar e aproveitar” (EE 18,2-3).

Os candidatos podem ser divididos em três categorias:

a)     Pessoas que deverão tomar decisões: São aquelas que desejam reforma de vida em profundidade, pois com o passar do tempo sentem a sua vida oxidada. Entre estas “eleições”, não se deve descartar a importância de enfrentar pessoas da terceira idade, com as mudanças que ela comporta;

b)    Pessoas que desejam rezar a fundo e estar longamente com o Senhor: Estes candidatos darão pouco trabalho ao acompanhante. Tais pessoas, em geral, vivenciam os EVC com grande paz e consolação;

c)     Pessoas que não tem “subjecto” e que a seleção não detectou: às vezes o próprio exercitante descobre que se equivocou e propõe abandonar o processo; outras vezes, o próprio acompanhante com muito tato, sugere ao exercitante que deixe o EVC. Mas, será mais prudente o acompanhante continuar, mas receber em um período maior (não semanalmente) o acompanhante e ver o que acontece.

Acompanhante precisa ser um pedagogo, precisa aceitar a realidade. Não deve forçar o exercitante a processos impossíveis e não deve se sentir culpado, crendo que lhe falte perícia. Talvez, possa mudar nestes casos o EVC para “Exercícios Leves” (EE,18). Mesmo que o acompanhante ofereça ao exercitante, matérias para as quatro semanas, o acompanhante sabe que se trata de Exercícios de Iniciação.

Talvez, mais adiante, o acompanhante possa vir introduzir o exercitante nos “objetivos” e não só nas “matérias” de cada uma das semanas. Para isto o acompanhante sabe muito bem que as semanas do EE (Exercícios Espirituais) não se definem a partir do “objeto material”, mas do “objeto formal”.

by Francesc Riera i Figueiras,SJ 
Itaici: Revista de Espiritualidade Inaciana 85(2011)