Mt 18,21-19,1

Naquele tempo, 18,21 Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” 22 Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23 Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24 Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25 Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.26 O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28 Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. 29 O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! e eu te pagarei’. 30 Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31 Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muitos tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32 Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33 Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ 34 O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35 É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”. 19,1 Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão.

+++

Perdoar sempre, não importa o tamanho da culpa. Quantas vezes reclamamos daqueles que nos devem, mas às vezes também não cumprimos com nossas obrigações. Precisamos ser justos com os dons que recebemos.

Alguém me devia uma quantia substancial, devido a um carro que ajudei a comprar. Não pagou, fiquei num enorme prejuízo, outros vieram e só ajudaram a afundar o problema. Esta primeira pessoa veio a falecer, assim mesmo mandei rezar uma Missa de sétimo dia por sua alma. Compaixão foi o que me restou.

Esta passagem, também retoma as picuinhas que temos dentro das paróquias, nos grupos que participamos, onde por qualquer motivo, como inveja, orgulho nosso, deixamos as pessoas de lado e procuramos nos afastar. Tenho procurado ir ao encontro, apesar de alguns me evitarem. Que o aprendizado da compaixão esteja sempre presente na minha vida, haja o que houver.