Mt 19,3-12

Naquele tempo, 3 alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4 Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5 E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’? 6 De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”. 7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8 Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9 Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher — a não ser em caso de união ilegítima — e se casar com outra, comete adultério”. 10 Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”. 11 Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12 Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.

+++

Neste mês vocacional é bom refletir sobre meu matrimônio, que este ano completo 34 anos de feliz união, com fidelidade, entendimento e muito amor. O fruto dois bons filhos, que convivemos de forma dialogal com anseios e ajudas de ambas as partes.

Viver, honestamente o Sacramento do Matrimônio não é fácil, pois tantas são as tentações a se romper a fidelidade. Inclusive em momentos de dificuldades, onde acabamos nos perdemos, mas é sempre bom a reconciliação e o perdão. Nunca dormir sem pedir perdão, aprendi um dia de algum bom padre na minha juventude.

Agora o matrimônio, entra em outra fase, filhos já pensando em sair de casa. Nossos pais bem idosos, e gerando acompanhamento exclusivo, causando afastamento do lar. Neste momento, fico com a bela frase do Hino dos Congregados Marianos: “Fidelidade por toda a vida”.