Congregação Mariana NS Aparecida e São Sebastião – Engenho de Dentro (Rio de Janeiro/RJ)

A liturgia aponta o terceiro domingo de maio, dedicado ao Congregado Mariano, em todo o Brasil, e mais uma vez nos reunimos numa manhã agradável, com procissão bastante participativa e celebração da Santa Missa por Dom Roberto,OSB (Abade Emérito do Mosteiro de São Bento), no bairro de Água Santa.

Fazia cinco anos que não participava no Dia Nacional do Congregado Mariano, aqui no Rio de Janeiro, pois sempre alguma Federação solicitava minha presença. Este ano, acabei ficando e participei com Alegria, encontrando antigos e novos congregados.

Fiquei satisfeito com o número de presentes, havia um bom número, lembrando os Dias Nacionais, realizados em outras datas na Casa do Congregado ou fora da casa, ou seja, acolhido por uma Paróquia, onde todos foram muito atraentes. Enquanto estive presidente da Federação, consegui este feito, sempre com carinho e adesão da paróquia, dos congregados daquela região. Antes da Evangelli Gaudium, antecedendo ao pensamento do Papa Francisco, pensava em uma congregação em saída. Mas, isto nada desmerece os eventos na Casa do Congregado, pois ambos demandam empenho, dedicação e amor a causa.

Na procissão, foi bonito a participação das famílias, que colocavam à frente de suas moradias, imagens de Nossa Senhora, e gentilmente nosso Padre Assistente fazia as honras, abençoando às famílias.

Após conversa com vários congregados e feliz com tudo o que vi e ainda tinha, ao final da tarde um Encontro com um Grupo do ECC (Encontro de Casais com Cristo), que me pediram a presença para falar de Maria, optei por não participar do almoço. Soube, que faltou comida, pois havia mais presentes que o esperado, mas a tempo tudo foi resolvido. Uma boa notícia esta participação.

Na saída, da casa do congregado (Água Santa), enquanto aguardava o taxi, onde iriam comigo, a presidente e mais um membro da Congregação Mariana, a qual participo, assuntos externos me chamaram a atenção. Primeiro, um telefonema de meu filho, onde em uma casa em uma avenida que faz fundos com meu apartamento, estava pegando fogo. Mas, fiquei feliz com a iniciativa de meu filho, de ligar para os bombeiros e pedir que deixassem o portão da avenida aberto. Graças a esta ação tudo foi contornado, sem problemas, apenas parte da casa ficou destruída.

O segundo assunto, foi a passagem de dois meninos, cerca de 16 anos aproximadamente, com uma metralhadora em punho. Passaram a nossa frente, as senhoras, que estavam comigo, ficaram preocupadas, apenas pedi para “não despertarem o leão que dorme”, e assim foi, eles só passaram e seguiram o caminho deles. Logo em seguida nosso taxi chegou. Se, despertássemos o leão, fatalmente nos morderia…

Enfim, um agradável dia, com as emoções de uma cidade grande como o Rio de Janeiro, onde pudemos ver às congregações marianas acontecerem e ficar feliz que sua história irá continuar sob a bandeira da Esperança. Mas, muito trabalho a ser feito…

Eduardo L. Caridade