A fraternidade não é fácil, nem mesmo entre irmãos; ela precisa ser artesanalmente construída.

Caim nunca chamou Abel de “irmão”, e foi invadido por sentimentos primitivos de inveja e ciúmes que excluem e matam. Abel provavelmente não foi à única vítima deste homem cruel.

A história de José, filho de Jacó, é parecida. Os irmãos ciumentos se livram dele. Ele se salva e, depois de várias desventuras, torna-se o poderoso ministro do faraó do Egito. E lá ele se reencontra com os irmãos e salva-os da crônica penúria econômica. A fraternidade precisa ser continuamente reinventada, pois ela é um dom. E o dom põe à prova àquele que o recebe.

Todo dom cria um vínculo entre o doador e aquele que o recebe. Muitas vezes recusamos ser irmãos uns dos outros e desse modo negamos a paternidade de Deus. Será que Deus é verdadeiramente Pai nosso?

Gn 4,1-16: 1Adão conheceu Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz Caim, e disse: “Possuí um homem com a ajuda do Senhor.” 2E deu em seguida à luz Abel, irmão de Caim. Abel tornou-se pastor e Caim lavrador. 3Passado algum tempo, ofereceu Caim frutos da terra em oblação ao Senhor. 4Abel, de seu lado, ofereceu dos primogênitos do seu rebanho e das gorduras dele; e o Senhor olhou com agrado para Abel e para sua oblação, 5mas não olhou para Caim, nem para os seus dons. Caim ficou extremamente irritado com isso, e o seu semblante tornou-se abatido. 6O Senhor disse-lhe: “Por que estás irado? E por que está abatido o teu semblante? 7Se praticares o bem, sem dúvida alguma poderás reabilitar-te. Mas se precederes mal, o pecado estará à tua porta, espreitando-te; mas, tu deverás dominá-lo.” 8Caim disse então a Abel, seu irmão: “Vamos ao campo.” Logo que chegaram ao campo, Caim atirou-se sobre seu irmão e matou-o. 9O senhor disse a Caim: “Onde está seu irmão Abel?” – Caim respondeu: “Não sei! Sou porventura eu o guarda do meu irmão?” 10O Senhor disse-lhe: “Que fizeste! Eis que a voz do sangue do teu irmão clama por mim desde a terra. 11De ora em diante, serás maldito e expulso da terra, que abriu sua boca para beber de tua mão o sangue do teu irmão. 12Quando a cultivares, ela te negará os seus frutos. E tu serás peregrino e errante sobre a terra.” 13Caim disse ao Senhor: “Meu castigo é grande demais para que eu o possa suportar. 14Eis que me expulsais agora deste lugar, e eu devo ocultar-me longe de vossa face, tornando-me um peregrino errante sobre a terra. O primeiro que me encontrar, matar-me-á.” 15E o Senhor respondeu-lhe: “Não! Mas aquele que matar Caim será punido sete vezes.” O Senhor pôs em Caim um sinal, para que, se alguém o encontrasse, não o matasse. 16Caim retirou-se da presença do Senhor, e foi habitar na região de Nod, ao oriente do Éden.

Caim é tomado pela inveja, após a oferta que fez a Deus, onde apenas a oferta de Abel agradou. Este tema recai sobre nós constantemente, pois, não raro, sofremos do mesmo mal e a inveja é um dos pecados capitais.

Através de minhas orações diárias tenho procurado ignorar dentro de mim, a existência deste defeito. Virar as costas, para a inveja, e não permitir seu crescimento. Oração tem sido a melhor resposta a este desafio. Procurar caminhar junto ao próximo, saber escutar e não desanimar frente aos desafios, tudo é fruto da humildade que procuro buscar. Evitar ostentações, apenas para causar inveja nas pessoas a minha volta, nada disto é necessário. O Ideal será caminhar junto, na mesma direção, buscando dar sentido à vida.

Quando sou atacado pelo defeito da inveja, procuro deixa-la apenas no desejo, insistentemente tenho procurado discernir e me afastar deste desejo, até estanca-lo. No trecho bíblico que refletimos, Caim matou Abel, pois deixou a inveja tomar conta de sua vida. São curas interiores, que devemos lutar sem cessar para vencer o bom combate.

Outro dia, curioso o comentário de um colega que frequenta nosso trabalho de formação paroquial por mais de dois anos. Veio me dizer, que acredita na reencarnação e apesar de estar este tempo conosco ele não concorda com a Igreja neste ponto, e tem ficado quieto para não polemizar, e começou a falar de alguns complexos de inferioridade que possui, que o estão afetando, alegando que ele está assim, pois em outras vidas acontecerá de forma melhor.

Estar com o semblante abatido, para dizer estas coisas, tal qual Caim estava ao ser admoestado por Deus, que o avisa que ficará errante se não mudar sua forma de pensar e agir, assim, vejo este amigo, que se abriu comigo na confiança. Muita coisa entendo, devido a sua criação e de onde veio, mas esta não é a fé da Igreja, a qual professo e devo com caridade mostrar a ele o caminho da ressurreição.

Que o bom Deus me ajude nesta empreitada, sem invejas, iras, mas, com carinho e respeito.