Guernica – Pablo Picasso

Partindo da sua relação com o Princípio e Fundamento, vamos mostrar o sentido da Primeira Semana, descrever os cinco exercícios que a compõem e suas formas principais de oração, para concluir apontando como ela se abre para a continuidade do processo dos Exercícios.

RELAÇÃO ENTRE A PRIMEIRA SEMANA E O PRINCÍPIO E FUNDAMENTO

No Princípio e Fundamento, o exercitante descobre que Deus se comunica, abraçando a criatura que compreende ser fruto de seu amor. A pessoa então manifesta seu desejo de ordenar a própria vida, para responder a esse amor. Os frutos a serem alcançados são:

  1. Tomada de Consciência sobre o Projeto de Deus para o ser humano: louvar, reverenciar e servir a Deus Nosso Senhor, e assim salvar-se.
  2. A indiferença, que dá à pessoa a liberdade para eleger na fé esse Projeto, com a radicalidade exigida pelo magis, escolhendo e desejando somente aquilo que mais conduz ao fim para que foi criado.
  3. Adquirir uma consciência clara e profunda da visão de fé, que revela o infinito Amor pessoal de Deus para com cada pessoa. Abrir-se então em uma atitude de gratidão e louvor ao seu Criador e Senhor, diante de tão grande Amor.

Quando se percebe que o exercitante atingiu as disposições de gratidão por esse Amor para com ele e está em atitude de indiferença, chegou o momento de entrar na Primeira Semana. O sentido da Primeira Semana brota da própria experiência do Princípio e Fundamento, quando o exercitante percebe que o Plano de Deus apresentado e experimentado aí se realiza.

A etapa anterior propôs uma visão altamente positiva da Fé Bíblica no Deus da Vida, que acompanha a Criação até sua plena realização em Cristo, por meio do Espírito Santo.

Agora na Primeira Semana, busca-se abordar a questão do mal, no mesmo contexto da fé no Deus Vivo, justo e bom. Isso porque só a consciência concreta de sua pobreza permite ao exercitante fazer uma experiência de Salvação e perceber de maneira mais existencial o Amor de Deus, infinito, eterno e incondicional. Aí está o maior dos mistérios: “Ele nos amou primeiro, quando ainda éramos pecadores” (Rm 5,8).

Pode-se dizer então que na Primeira Semana o exercitante está diante de uma espécie de ampliação do Princípio e Fundamento, fazendo uma reconsideração ou repetição, examinando ao extremo um ponto fundamental, o Amor de Deus, “pois onde abundou o pecado, superabundou a Graça” (Rm 5,20).

Mas o Amor de Deus na Primeira Semana é acompanhado de sua negação pelos homens e mulheres. Permanece a visão de conjunto da História da Salvação, mas agora tendo como foco a busca da experiência da realidade difícil e dura do pecado, na perspectiva da misericórdia de Deus. Tal dimensão positiva leva o exercitante a superar os limites de sua pobreza e pequenez.

Fonte Revista Itaici nº 72 – junho de 2008 (pág. 5 e 6), artigo de Emmanuel da Silva e Araújo,SJ