A credencial para uma comunidade cristã, e mais ainda para quem quer ser autêntico discípulo(a) de Jesus, é ouvir a Palavra de Deus, acolhê-la em seu interior. É Ela que purifica, liberta e capacita para a missão. É o que temos em Maria, a bem-aventurada, a feliz, a eternamente feliz, porque creu: “Feliz tu que acreditaste. Tudo quanto te foi dito da parte do Senhor, realizar-se-á em ti” (Lc 1,45). É a discípula perfeita que se abriu à Palavra de Deus e se deixou penetrar por seu dinamismo. Onde a Palavra de Deus cai, ela não volta sem produzir o seu fruto. E se a terra for boa, se a Palavra for bem acolhida, pode produzir até 100% (cf. Is 55,11; Mt 13,23). E Maria acolhia bem a Palavra de Deus, meditando-a e conservando-a em seu coração (Lc 2,19.51). E a Palavra de Deus não é só o que, normalmente, entendemos por Palavra, mas também os acontecimentos da vida, os gestos de Deus. Em hebraico “dabar”, que traduzimos por palavra, significa mais do que palavra. Significa gestos, acontecimentos, ação. A Palavra de Deus é dinâmica, é operativa: “Disse Deus e se fez o que disse” (Gn 1,9.11; Sl 148, 5; 32,9).

Dom Aloísio Cardeal Lorscheider,OFM
Cardeal Arcebispo de Aparecida (1995-2004)
Maria Trono de Sabedoria (Academia Marial)