Deus deseja nossa amizade. Para estar em contato com Deus é preciso perder o contato com a confusão da vida comum? – Ao que tudo indica, a proximidade com Deus exige distância do mundo. Grande parte do ensinamento religioso cristão pede uma separação entre religião e vida comum. Será que Deus e o mundo estavam em oposição?

Deus tem um sonho para este mundo

Deus deseja um mundo em que os seres humanos trabalhem juntos em harmonia e amizade com ele, uns com os outros e com toda a criação. Somos filhos de Deus, criados à sua imagem e semelhança e convidados a ajudá-lo a realizar o sonho para este mundo criado. Às vezes, uso a imagem de Deus como um pai que convida os filhos adultos a participar do negócio da família. O mundo é o negócio da família de Deus. Só neste mundo Deus pode realizar o sonho. Mas só conseguirá isso se nós, que fomos criados à sua imagem e semelhança, vivermos nossa semelhança como filhos e filhas de Deus e aceitarmos o convite para participar do negócio da família.

A criação toda, já se vê, foi feita à imagem e semelhança de Deus. Entretanto, nós seres humanos, fomos criados para ser como ele em nossa consciência de nós mesmos, nosso modo de pensar, sentir e agir. Fomos criados para agir em harmonia com a intenção de Deus para o mundo. É esse desafio grandioso e estimulante de sermos humanos, porque, como Deus, precisamos decidir de que modo agir. Em harmonia ou em desacordo, com o seu sonho.

Os cristãos creem que Jesus de Nazaré é Deus encarnado, em carne humana. Parece que, ao ver como lidamos mal com nosso papel neste mundo criado, Deus decidiu mostrar que o ser humano deve agir como alguém criado à sua imagem. Jesus cresceu para ser um amigo adulto de seu Abbá, seu “querido Pai”, e participou de seu sonho para o mundo da forma como Deus pretende que todos os seres humanos colaborem.

Depois da ressurreição, Jesus voltou aonde estavam reunidos com portas fechadas e disse: “A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio”, e soprou sobre eles, indicando assim que lhes dava o sopro, ou espírito, de Deus (Jo 20,21-22).

João põe essa cena na sala superior como história nova ou renovada da criação. Nós, que na primeira criação fomos criados para sermos os portadores da imagem de Deus pelo sopro ou espírito divino, agora recebemos esse Espírito de um modo novo e até mais íntimo, para podermos ser quem fomos criados para ser, imagens de Deus, seus amigos, outros Cristos neste mundo que tão desesperadamente precisa de tudo isso.

Quais são as consequências de viver como amigo de Deus?

Se a proposta de Deus, respondemos com amizade verdadeira, passa a existir uma espiritualidade de amizade com Deus, que é o propósito para o qual Deus nos criou. Fomo criados para sermos amigos de Deus e colaborar com Deus para cultivar um mundo onde o lobo more realmente com o cordeiro (cf. Is 11,6-9); onde as espadas sejam forjadas em relhas de arado, onde todos os filhos de Deus vivam em paz (cf. Is 2,4). Cada um de nós, adulto, é convidado a ser amigo de Deus e profeta (Sb 7,27).

Jesus chama de amigo a cada um de nós cristãos e envia-nos para este mundo do mesmo modo como foi enviado. Cada um de nós é chamado a seguir Jesus, não para imitá-lo como escravo, mas para DISCERNIR qual nosso papel no trabalho de Deus e como devemos viver nossa VOCAÇÃO como imagens de Deus e seus amigos adultos em nosso tempo, lugar e circunstâncias. Podemos decidir não participar da VOCAÇÃO, mas quando fazemos isso tornamo-nos parte do problema, não da solução.

Então, para você, o que significa ser amigo de Deus, portador de sua imagem, outro Cristo?

 

Fonte: Barry, W.A, Mudar o coração, transformar o mundo. Edições Loyola, São Paulo-SP, 2016