ENGANO DE ANANIAS E SAFIRA (5,1-11)

1-11: “1Um certo homem chamado Ananias, de comum acordo com sua mulher Safira, vendeu um campo 2e, combinando com ela, reteve uma parte da quantia da venda. Levando apenas a outra parte, depositou-a aos pés dos apóstolos. 3Pedro, porém, disse: Ananias, por que tomou conta Satanás do teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e enganasses acerca do valor do campo? 4Acaso não o podias conservar sem vendê-lo? E depois de vendido, não podias livremente dispor dessa quantia? Por que imaginaste isso em teu coração? Não foi aos homens que mentiste, mas a Deus. 5Ao ouvir estas palavras, Ananias caiu morto. Apoderou-se grande terror de todos os que o ouviram. 6Uns moços retiraram-no dali, levaram-no para fora e o enterraram. 7Depois de umas três horas, entrou também sua mulher, nada sabendo do ocorrido. 8Pedro perguntou-lhe: Dize-me, mulher. Foi por tanto que vendestes o vosso campo? Respondeu ela: Sim, por esse preço. 9Replicou Pedro: Por que combinastes para pôr à prova o Espírito do Senhor? Estão ali à porta os pés daqueles que sepultaram teu marido. Hão de levar-te também a ti. 10Imediatamente caiu aos seus pés e expirou. Entrando aqueles moços, acharam-na morta. Levaram-na para fora e a enterraram junto do seu marido. 11Sobreveio grande pavor a toda a comunidade e a todos os que ouviram falar desse acontecimento.”

 

O DOCUMENTO 105 DA CNBB, nos fala que o campo específico de ação do leigo é o mundo (63-65), e alerta aos seguintes pontos: 1) A vocação específica do leigo, impregnado do Evangelho, é estar no mundo; 2) por Jesus ter assumido a condição humana, o homem é o primeiro caminho que a Igreja deve percorrer no desempenho de sua missão; 3) A Igreja necessita de cristãos leigos que assumam cargos de dirigentes formados e fundamentados na DSI (Doutrina Social da Igreja) e Doutrina do Laicato.

Então, a “comunidade cristã para viver em harmonia e no apoio recíproco deve renascer do Espírito Santo. E há dois sinais para entender que se está no caminho correto: o desinteresse pelo dinheiro e a coragem de testemunhar Cristo ressuscitado” (Papa Francisco, homilia de 5/abr/2016, na Casa Santa Marta). É uma indicação acompanhada pela advertência de não confundir a verdadeira harmonia com uma tranquilidade negociada ou hipócrita.

Jesus já havia falado a Nicodemos, que devemos renascer do Espírito, pois é Ele que nos dá força e modo de agir novos. Os primeiros cristãos viviam em harmonia, que é uma graça interior que somente pode fazê-la o Espírito Santo. Pois, uma comunidade pode ser muito tranquila, passar bem, mas não estar em harmonia.

O dinheiro é inimigo da harmonia, o dinheiro é egoísta. Ananias e Safira: vendem o campo e dão tudo, dizem que dão tudo aos apóstolos, mas subtraem ocultamente para fazer-se uma conta à parte, para eles. o Senhor pune com a morte estes dois, porque Jesus disse claramente que não se pode servir Deus e o dinheiro: são dois patrões, cujo serviço é irreconciliável.

Que consigamos viver em harmonia em nossas comunidades e sejamos sujeitos na sociedade e que tenhamos discernimento para entender os dois sinais que provem desta harmonia: o desinteresse pelo dinheiro e a coragem de dar testemunho do ressuscitado.