O PECADO DA SIMONIA (8,18-25)

18-25: “18Quando Simão viu que se dava o Espírito Santo por meio da imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu-lhes dinheiro, dizendo: 19Dai-me também este poder, para que todo aquele a quem impuser as mãos receba o Espírito Santo. 20Pedro respondeu: Maldito seja o teu dinheiro e tu também, se julgas poder comprar o dom de Deus com dinheiro! 21Não terás direito nem parte alguma neste ministério, já que o teu coração não é puro diante de Deus. 22Arrepende-te desta tua maldade e roga a Deus, para que, sendo possível, te seja perdoado este pensamento do teu coração. 23Pois estou a ver-te no fel da amargura e nos laços da iniquidade. 24Retorquiu Simão: Rogai vós por mim ao Senhor, para que nada do que haveis dito venha a cair sobre mim. 25Os apóstolos, depois de terem dado testemunho e anunciado a palavra do Senhor, voltaram para Jerusalém e pregavam a boa nova em muitos lugares dos samaritanos.”

A lamentável proposta de Simão, que oferece dinheiro aos Apóstolos em troca da capacidade de transmitir o Espírito, originou o termo simonia para designar o comércio com as coisas santas. Mas, não é simonia, que os ministros do culto sagrado aceitem uma esmola razoável, em dinheiro ou espécies, para a sua normal sustentação. A Igreja combateu e preveniu sempre o perigo de simonia nos seus ministros (Cf. 1Pd 5,2; 2Pd 2,3).

Problemas econômicos não se resolvem com orações e dons espirituais e não se compram com dinheiro. Simão, acreditava que o dom do Espírito Santo transmitido pelos apóstolos Pedro e João era um truque ou estratégia mágica, por isso era só pagar e receber a magia de fazer.

O dinheiro é o lado oposto do Reino de Deus e não se pode servir a Deus e ao dinheiro concomitantemente (Mt 6,24). O profeta Isaías já condenava com veemência  a ganância e o pecado da corrupção originado pela sede de dinheiro (Is 5,8ss). A maior parte do sofrimento dos povos tem como origem o dinheiro. Os que têm muito por querer mais e os que não têm pela luta em poder ter o mínimo necessário.

Referência bibliográfica:

  • VV.AA. BÍBLIA SAGRADA, Universidade de Navarra, Edições Theologica, Braga, PT, 1990;
  • MAZZAROLO, I., ATOS DOS APÓSTOLOS (ou Evangelho do Espírito Santo), Rio de Janeiro, RJ, 2014.