INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE

Pelo seu caráter especialmente simbólico, o livro recebeu diversas interpretações ao longo dos séculos. Podemos distinguir quatro mais importantes:

  • O livro seria uma descrição da História da Igreja. Através das suas páginas ir-se-iam anunciando os momentos mais importantes pelos quais passou ou tem que passar ainda a Igreja. São sete períodos, o último dos quais coincidiria com o reino de mil anos que Cristo e os Seus seguidores hão de instaurar antes do fim do mundo, segundo se anuncia em Ap 20,1-7, entendido ao pé da letra. Esta interpretação teve a sua vigência nos primeiros séculos e na Idade Média, e hoje também em algumas seitas que mediantes diversos cálculos deram, de forma errada, as datas do fim do mundo.
  • No Apocalipse está escrito somente a história contemporânea de São João, que apresentava um quadro das perseguições e dificuldades da Igreja no seu tempo, provenientes, sobretudo do paganismo e do judaísmo. É uma interpretação que se inicia no século XVI, e que hoje tem os seus seguidores na crítica racionalista. Segundo esta corrente, o Apocalipse não é mais que uma descrição simbólica de quanto estava a acontecer no século I.
  • O conteúdo do Apocalipse seria um anúncio e premonição para os últimos tempos, para a época escatológica. Esta interpretação esteve em vigor a partir do século XVIII e atualmente é seguida por alguns autores.
  • O Apocalipse constituiria uma visão teológica de toda a História, sublinhando o seu aspecto transcendente e religioso. Com grande parte dos Santos Padres esta interpretação entende que São João nos apresenta certamente a situação da Igreja naquele momento, e uma ampla panorâmica dos últimos tempos; mas com a particularidade de que esses tempos definitivos foram já inaugurados com a vinda de Jesus Cristo, o Filho de Deus feito homem. É uma concepção muito de acordo com o IV Evangelho, onde também se apresenta a época definitiva, assim como a vida eterna, já iniciada agora de alguma forma e em marcha para a plenitude total. Deste modo dá-se uma certa perspectiva dos acontecimentos e a esperança do triunfo final. Por um lado, apresenta-se a luta cósmica entre o bem e o mal, mas, por outro, dá-se o triunfo definitivo de Cristo. Este sistema de interpretação é o mais aceitável pela Igreja.

Referência Bibliográfica:

VV.AA. BÍBLIA SAGRADA, Universidade de Navarra, Edições Theologica, Braga, PT, 1990;