ÊXTASE DE SÃO PEDRO (10,9-23)

9-23: “9No dia seguinte, enquanto estavam em viagem e se aproximavam da cidade – pelo meio-dia -, Pedro subiu ao terraço da casa para fazer oração. 10Então, como sentisse fome, quis comer. Mas, enquanto lho preparavam, caiu em êxtase. 11Viu o céu aberto e descer uma coisa parecida com uma grande toalha que baixava do céu à terra, segura pelas quatro pontas. 12Nela havia de todos os quadrúpedes, dos répteis da terra e das aves do céu. 13Uma voz lhe falou: Levanta-te, Pedro! Mata e come. 14Disse Pedro: De modo algum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma profana e impura. 15Esta voz lhe falou pela segunda vez: O que Deus purificou não chames tu de impuro. 16Isto se repetiu três vezes e logo a toalha foi recolhida ao céu. 17Desconcertado, Pedro refletia consigo mesmo sobre o que significava a visão que tivera, quando os homens, enviados por Cornélio, se apresentaram à porta, perguntando pela casa de Simão. 18Eles chamaram e indagaram se ali estava hospedado Simão, com o sobrenome Pedro. 19Enquanto Pedro refletia na visão, disse o Espírito: Eis aí três homens que te procuram. 20Levanta-te! Desce e vai com eles sem hesitar, porque sou eu quem os enviou. 21Pedro desceu ao encontro dos homens e disse-lhes: Aqui me tendes, sou eu a quem buscais. Qual é o motivo por que viestes aqui? 22Responderam: O centurião Cornélio, homem justo e temente a Deus, o qual goza de excelente reputação entre todos os judeus, recebeu dum santo anjo o aviso de te mandar chamar à sua casa e de ouvir as tuas palavras. 23Então Pedro os mandou entrar e hospedou-os. No dia seguinte, levantou-se e partiu com eles, e alguns dos irmãos de Jope o acompanharam.”

Pedro ao responder ao Senhor, (cf. v.14) afirma que nunca comera coisa profana e impura e não seria agora que iria comer, tal atitude gera em Pedro uma perplexidade inicial, pois ele é um bom judeu que ama e observa a lei divina aprendida desde sua juventude. Pedro, sempre praticou os preceitos relativo aos alimentos e sempre respeitou a diferença mosaica entre o puro e o impuro. Mas, agora, é convidado a superar a chamada pureza legal.

Na cabeça de Pedro pesam as Leis culturais sobre os animais impuros, cf. Lv 11,1-30. Assim, esta visão dos alimentos impuros, na realidade é uma antecipação da missão entre os impuros, os gentios. Cornélio, que veremos nos versículos 34-43, era um pagão, impuro nos conceitos judaicos, mas não aos olhos de Deus.

Pedro, pessoa humilde, diante do pedido, entende a necessidade de obedecer a Vontade de Deus, mas esbarra diante do ritual judaico. A razão lhe pede para manter o ritual judaico, mas a obediência a voz divina, ou seja a sua fé, o deixa ser conduzido pelo Espírito Santo, mostrando que o “puro” e o “impuro” estão dentro de cada um e não fora.

A docilidade às moções do Espírito Santo fazem Pedro ir gradualmente entendendo sua opção, pois consumir certos tipo de carne, não possuem valor para os cristãos. E, ainda compreende que nos planos salvíficos de Deus, Judeus e pagãos são iguais.

Vale lembrar que, Judeus e pagãos não se sentavam à mesma mesa. Mas, Deus ao incentivar Pedro a abrir mão de se preocupar se os alimentos são puros ou impuros, quer que Pedro o imite, pois, “Deus não faz acepção de pessoas” (Dt 10,17), o que importa é a purificação do coração.

No v.17: contemplamos Pedro no andar de cima, com fome e matutando na visão do vaso em forma de lençol, com animais de todas as espécies, que eram, segundo os seus esquemas mentais e religiosos, impuros. Por que as carnes eram todas impuras? O que significavam? Seria uma simples ilusão?

A visão jamais tem um fim em si mesma nem se restringe a um ambiente. O que Pedro está vendo não são carnes impuras, mas ambientes “impuros” para os quais ele deverá ser enviado.

Depois, no v.20: O Espírito Santo incentiva Pedro, mostrando que é necessário obedecer. Não é momento de fazer perguntas. Assim, devemos ser: prudentes e abertos a voz do Espírito.

Referência Bibliográfica:

  • VV.AA. BÍBLIA SAGRADA, Universidade de Navarra, Edições Theologica, Braga, PT, 1990;
  • MAZZAROLO, I., ATOS DOS APÓSTOLOS (ou Evangelho do Espírito Santo), Rio de Janeiro, RJ, 2014.