Domingo de Ramos, Jesus triunfalmente entra em Jerusalém, marcando o início de uma mudança de época, devido aos acontecimentos que estão por vir. Jesus, será o ponto de partida dessa mudança ousada na história da humanidade.

Na entrada em Jerusalém o povo estende seus mantos; fariseus reclamam da agitação e Jesus responde: “se eles calarem, as pedras gritarão”. É a entrada do Príncipe da Paz, onde segundo a meditação proposta pelo Pe. Adroaldo: “Ele quer pôr o coração de Deus no coração da grande cidade; deseja re-criar, no coração da capital, o ícone da nova Jerusalém, a cidade cheia de humanidade e comunhão, o lugar da justiça e fraternidade…”.

Tudo muito simples, pois a entrada de Jesus é oferta de salvação, para que todos descubram a novidade do Evangelho, por isso chega montado num jumentinho, emprestado por alguém da aldeia. Jesus, chega de forma pacífica, simples, com o povo o aclamando, para instaurar o Reino de Deus, diferente do sistema imperial imposto pelos romanos e da política sacerdotal do templo.

Da mesma forma necessitamos desses gestos simples, sem grandes discursos, para que todos entendam, vivam e sintam. Por vezes, preocupamo-nos com exibicionismos, que tem pouco a ver com a simplicidade de Jesus.

Mas, o sentimento do povo, é um sentimento estranho, pois este mesmo povo que grita o nome de Jesus e o acolhe com Ramos, dentro de alguns dias irão pedir para crucifica-lo. É um entusiasmo, mas sem fé! Da mesma forma, devemos olhar para nossos grupos, nossas comunidades, que hoje precisam ser este pequeno rebanho, sem vaidades. Lembrando sempre: – Jesus precisou apenas de um jumentinho.

Que a Semana Santa, nos transforme em pessoas melhores, ávidas de simplicidade, mais silenciosas, transfiguradas e misericordiosas, conforme nos propuseram os evangelhos dominicais da quaresma.

Boa oração!