Jo 20,19-23: 19Na tarde desse mesmo dia, que era o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos estavam reunidos, entrou Jesus, colocou-se no meio e disse-lhes: “A paz esteja convosco!” 20Dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e o peito. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. 21De novo lhes disse: “A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22Depois dessas palavras, soprou sobre eles e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo. 23Àqueles a quem perdoardes os pecados, serão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, serão retidos”. 

Os discípulos se reúnem de portas fechadas, e Jesus se coloca junto deles, transmitindo a Paz, mostrando suas chagas e todos se alegram. Como enviado do Pai, Jesus envia o Espírito Santo, que é transmitido a partir de um ‘sopro” sobre os discípulos, os colocando em missão, para continuarem a obra da criação.

O medo paralisante, no qual estão os discípulos, se transforma, a partir do “sopro” que Jesus transmite: – em vida, confiança, liberdade, comunhão, que os humaniza. A imagem do vento, sinaliza movimento, colocando os discípulos em saída, permitindo o encontro, um Pentecostes, onde se junta a imagem do fogo, que transforma os mesmos discípulos, antes medrosos, agora missionários.

O mesmo Espírito que acompanhou Jesus, agora anima nossas comunidades e Pentecostes continua acontecendo, onde nosso medo se transforma em presença do Espírito, nos trazendo paz e alegria, nos tirando da solidão, nos impulsionando a experimentar em nós a boa nova do Reino.

A Crisma como nosso Pentecostes, nos transforma em membros atuantes e responsáveis na Igreja, não permitindo que nossa existência fique atrofiada, onde todo mundo perde. Mas devemos acreditar que nas diferenças encontramos a novidade, encontramos o entendimento, vivemos a cultura do encontro, mostrando que os diferentes não são nossos inimigos.

O importante, neste tempo, será perceber a presença do Espírito de Deus em nossas vidas, nos diversos ambientes: pessoal, familiar e comunitário, para que todos sejam um, fazendo um acontecer, que nos ilumina e coloca nossas vidas no caminho da verdade e da unidade.

Espírito, Espírito
Que desce como fogo
Vem como em Pentecostes
E enche-me de novo…

Boa oração…