Caminho de Santiago: Trecho de ST. Jean Pied de Port a Roncesvalles

7) Os EE são instrumento espiritual para tornar-se, na fé, mais presente ao mundo real. Como se apresenta esse mundo real no tempo de Inácio? Você nota mudanças em relação ao quadro de hoje, no Brasil?

R: Conforme os historiadores, entre os Séculos XIII e XVII, que culminou com o início da Renascença, o mundo experimentou uma mudança de época, devido as fortes transformações nas áreas: política, social, econômica. Vejamos, algumas destas mudanças:

  • Descoberta e exploração de novas terras, que atrairá movimentos missionários;
  • Progressos técnicos consideráveis: transporte, têxteis, minas, metalurgia, imprensa, indústria de vidro etc…
  • Conforto de vida, sobretudo a urbana: criam um ritmo de negócios que beneficia sobretudo os possuidores de dinheiro e, muito menos, os pobres.

Vale lembrar, que os menos favorecidos, foram vítimas da alta de preços e das taxas de impostos, enquanto, os mais ricos, lucravam cada vez mais com o comércio, as operações bancárias, os domínios fundiários, organizando grandes companhias de influência mundial.

Neste quadro de mudanças, também foram afetadas as estruturas religiosas, onde tudo se comprava: alianças políticas, cargos e benefícios eclesiásticos, as indulgências e até a liberdade.

Outro flagelo que acentuou a distância entre nobres e plebeus foi a cultura, cujo acesso era privativo para quem podia pagar. Daí a escolarização maciça da nobreza e da burguesia, principalmente a masculina, já que as mulheres recebiam sua formação no lar.

O povo em si era mal catequizado, e possuía uma prática religiosa atravancada por superstições, magia, feitiçaria. A liturgia terminava em teatro, as procissões em carnaval, o clero – até o nível do cardinalato – era ignorante, não raro vivendo em concubinato, desinteressado da própria missão. O povo nem sabia rezar o pai-nosso e apenas chegava a fazer o sinal da cruz. (Percebe-se assim por que os primeiros companheiros de Inácio se valiam particularmente dos EE da Primeira Semana e pronto, depois não continuavam os EE).

Grave crise espiritual se espalhava em todas as frentes:

  • 1530: A Confissão de Augsburgo estabelecia as bases do luteranismo, ao qual se ligava boa parte dos príncipes alemães
  • 1533: Henrique VIII da Inglaterra, rompia com Roma;
  • 1536: Calvino publicava a primeira edição de sua Instituição Cristã;
  • Onda de misticismo invadia a Espanha e provocava os piores excessos de uma religiosidade doente;
  • Em Roma, o papa Paulo III, eleito em 1534, instaura uma comissão de reforma da Igreja, que irá culminar com o Concílio de Trento (1545-1563).

Hoje, podemos dizer, que por experimentarmos uma nova mudança de época, podemos equiparar nossa realidade às do tempo de Inácio. Fico aqui, com as palavras do Papa Francisco: “Não vivemos uma época de mudança, mas, sim, uma mudança de época. As situações que vivemos hoje, portanto, impõem novos desafios que, para nós, às vezes, são difíceis de compreender. Este nosso tempo requer que vivamos os problemas como desafios, e não como obstáculos, pois, o Senhor está ativo e em ação no mundo” (Francisco ao Congresso da Igreja Italiana, em 10/11/2015).

É, neste mundo real em que vivemos, que os Exercícios se tornam na , um presente para todos nós.

Referência Bibliográfica:

  • FILHO, S.C. OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA, Um Manual de Estudo, E. Loyola, São Paulo,SP, 2014.