Caminho de Santiago: Trecho de ST. Jean Pied de Port a Roncesvalles

9) O texto dos EE deve ser tomado ao pé da letra ou é necessária alguma adaptação?

R: Se nos aproximarmos do livrinho de Inácio apenas como “leitores”, ficaremos decepcionados. Porque desde as primeiras linhas, fica claro que não se trata de obra de espiritualidade, livro de meditações. Há ali exercícios, coisas para se fazer.

O livro foi escrito na primeira metade do século XVI na Espanha. O livro traz marcas das representações mentais e da linguagem daquela época, e, também do temperamento de Inácio, o que implica de nossa parte, algumas transposições necessárias.

Como exemplo, peguemos o nº 21 do livrinho dos Exercícios Espirituais, que nos fala de um dos seus objetivos: “vencer-se a si mesmo”, expressão, que muitos atribuem como voluntarista e carregada de ascetismo negativo. Mas, ao lermos outras passagens dos EE, ajudará a compreender a intenção do autor: nº 50: “ajudar sua liberdade”, nº 87: “que o sensível obedeça à razão”, e assim, retornando ao n° 21: “ordenar a sua vida sem ser dominado por um apego desordenado”.

O Vencer significa, submeter-se à ação de Deus, tornar-se dócil à ação do Espírito, um deixar-se mover pelo amor do Alto.

Um outro vocábulo frequente no texto é vontade, que não é uma fria decisão pessoal. Mas, invoca antes, uma inspiração e movimentos recebidos de Deus Pai (ver n° 3, 98, 175), e não algo de sabor pelagiano, heresia da autoajuda.

Assim, a vontade de Deus é algo que se pode sentir, isto é, perceber por meio de uma experiência interior, próxima da degustação. Aqui começa o discernimento dos espíritos.

Referência Bibliográfica:

  • FILHO, S.C. OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA, Um Manual de Estudo, E. Loyola, São Paulo,SP, 2014.