Nos Exercícios Espirituais, antes das meditações propostas pela Primeira Semana, vale folhear o livrinho de Santo Inácio e fazer uma leitura atenta de dois pontos: 1) EXAME PARTICULAR E COTIDIANO e 2) EXAME GERAL DE CONSCIÊNCIA. Vejamos cada um:

EXAME PARTICULAR, que compreende refletir sobre um determinado pecado de estimação, defeito ou vício e querer se emendar. Deve ser feito três vezes ao dia: pela manhã; à tarde, após o almoço e à noite, sempre ir comparando entre um exame e outro, se há evolução ou retrocesso, e assim, sucessivamente, dia após dia e semana após semana (EE 24-31), até eliminar tal hábito.

EXAME GERAL DE CONSCIÊNCIA, tem a finalidade de nos purificar, para uma melhor confissão (EE 32-43). Nesse exame refletimos sobre nossos Pensamentos, Palavras e Obras.

Pensamentos: trabalhamos com três espécies, que nos envolvem – um que é meu, outro da minha liberdade e querer; e, outros dois, que vem de fora, um do bom espírito e o outro do mau. Nosso temperamento, caráter, estado físico, são frutos de nossos pensamentos, que são alimentados por espíritos do bem ou do mal. Tais pensamentos, passam a ser nossos a partir daquilo que aceitamos ou repelimos.

Palavras: Não devemos prometer algo ou afirmar de modo solene, pelo Criador, nem pela criatura, a não ser com verdade, por necessidade e com reverência. Não devemos dizer nenhuma palavra ociosa, sem utilidade, para mim e para outrem. E, nada de dizer palavras que venham difamar uma outra criatura ou ficar de murmurações.

Obras: Devemos tomar por objeto de exame – os dez mandamentos; os preceitos da Igreja e as ordens superiores (Encíclicas papais, orientações da Santa Sé e Conferências Episcopais). O que fazemos, vai de encontro a estas obras?

Ao fazermos o Exame Geral, devemos iniciar pela “ação de graças”, e, todo ele deve ser um diálogo com Deus, porque só através da graça podemos admitir e conhecer nossos erros. No Exame, cinco pontos são importantes: 1º) dar graças a Deus; 2º) pedir graças para conhecer meus erros, vícios, defeitos; 3º) enumerar os pensamentos, palavras e obras e ir comparando se tem havido evolução ou retrocesso ao longo do dia, semana; 4º) Pedir perdão a Deus pelos erros; 5º) Propor emendar-se, agradecer a graça do entendimento. Ao final, a oração: Pai-nosso.

Encerramos com a Confissão Geral e Comunhão, para colhermos maior proveito e mérito; conhecimento mais íntimo de nossas falhas, erros e vícios, e assim, possamos obter maior dor. Desta forma, estaremos mais dispostos e aptos a receber a Eucaristia, que é fonte de vida.

O melhor momento para a Confissão Geral, será após os Exercícios da Primeira Semana.

Referência Bibliográfica:

  • FILHO, S.C. OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA, Um Manual de Estudo, Edições Loyola, São Paulo,SP, 2014.
  • LOYOLA, SANTO INÁCIO. EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS, (24-44), Edições Loyola, São Paulo,SP, 1985.